Você Sabe a Importância do Copywriting para a Produção do Seu Conteúdo?

13 de agosto de 2020

Produzir conteúdo para web é essencial para destacar a sua empresa do produto da concorrência. Para isso, algumas técnicas são fundamentais. Entre elas estão: conhecer bem a persona, apostar em tráfego pago, e conhecer técnicas para produção de conteúdo em diferentes canais (blog, redes sociais e e-mail).

O copywriting é uma das estratégias que você pode utilizar durante toda a produção de conteúdo. Para aprender a utilizar essa técnica com maestria, além de ser apaixonado pela internet, você também precisa entender algumas regras. Nesse post, nós te damos dicas para você aplicar e que farão toda a diferença no seu conteúdo. Vamos a elas?

EXEMPLIFICANDO O COPY

Para quem está começando no marketing digital, talvez esse conceito não seja tão familiar. Antes de entender sobre o copy, você precisa saber quem é a sua persona, é a partir dela que todas as estratégias de comunicação serão definidas. Então, se você não sabe o que é persona, já fizemos um post no nosso blog explicando um pouco sobre o conceito.

Quando você conhece a sua persona, o seu conteúdo fica muito mais assertivo, personalizado e persuasivo. Por isso, invista boa parte do seu tempo em definir bem a persona. Com isso delineado, você está pronto para adentrar nas técnicas de copywriting, podendo utilizá-lo nos mais diversos materiais e durante a jornada de compra para cativar o seu cliente.

Um bom copy deve ser: claro, conciso, convincente e utilizar gatilhos mentais para persuadir o leitor a executar uma ação. Essa ação nem sempre está atrelada a vendas; também poderá guiá-lo para assinar uma newsletter, baixar um e-book, etc. O copy estimula quem está lendo a tomar uma atitude e é um grande diferencial na produção de conteúdo para web.

Homem com várias anotações na mesa

COPYWRITING E JORNADA DE COMPRA

Além de levar em conta a persona, você também precisa saber exatamente em qual etapa do funil de vendas ela está para utilizar o copy com assertividade. De nada adianta fazer um copy matador e aplicá-lo em um cliente que está no topo do funil, pois ele ainda não está pronto para realizar a compra. Já uma pessoa no fundo do funil está muito mais preparada para receber gatilhos mentais e dar o próximo passo. O funil é dividido em topo, meio e fundo.

No topo está a etapa de aprendizado e descoberta. Nesse momento o principal objetivo é atrair a atenção do visitante e fazer com que ele se interesse pelo seu conteúdo. Nessa etapa possivelmente ele não entende exatamente o problema que possui e porquê precisa de uma solução. Invista em materiais educativos e bem didáticos, como blogposts, infográficos, etc.

No meio do funil, o visitante já sabe qual é o problema e começa a identificar possíveis soluções. Nesse momento, você pode apostar em conteúdos um pouco mais densos e detalhados. Webinars, landings pages, e-books e outros materiais exclusivos são uma boa pedida.

Tenha em mente que você já está preparando o terreno para que o visitante se torne um lead. Em troca desses materiais, você pode obter algumas informações importantes do seu usuário como e-mail, telefone, informações da empresa e criar um canal de comunicação e relacionamento para guiá-lo até a última etapa do funil.

No fundo do funil, o visitante está procurando soluções para o problema, essa é a hora de mostrar o que você tem para oferecer. Alguns conteúdos que podem ser trabalhados são: depoimentos de clientes, informações mais aprofundadas sobre um produto ou serviço e pesquisas de mercado.

Para produzir um bom copy, você precisa se conectar com o seu público, saber contar boas histórias - trabalhar com elementos do storytelling é uma ótima dica - e utilizar os principais gatilhos mentais: reciprocidade, prova social, autoridade, afeição, coerência e escassez. Para se aprofundar mais nessa técnica, você pode fazer o curso de copywriting e entender melhor como utilizar cada um dos gatilhos.

Abaixo nós explicamos um pouco sobre cada um deles:

Reciprocidade: antes de querer que o consumidor compre o produto, você deve oferecer algo em troca. Um bom exemplo disso são os canais de streaming que oferecem um teste de 30 dias antes de você assinar efetivamente o serviço.
Prova Social: ninguém gosta de ser o primeiro a experimentar um produto. Quando vemos que outras pessoas também usam determinado serviço, tendemos a querer utilizar. Um bom exemplo de prova social são depoimentos e cases de sucesso.
Autoridade: as pessoas tendem a respeitar quem tem mais domínio em um determinado assunto, os chamados “especialistas”. Esse é um dos principais gatinhos utilizados no copy.
Afeição: nos conectamos com quem é parecido conosco, que tem uma história parecida ou gostos semelhantes.
Coerência: quando assumimos uma posição publicamente, nos sentimos pressionados a alcançar os resultados prometidos.
Escassez: também é um dos gatilhos mais utilizados na comunicação. Aquela sensação de que você precisa aproveitar a oferta de um serviço ou produto, pois ele vai acabar rápido. A possibilidade de perder algo aguça o nosso desejo!

Esses são alguns dos princípios psicológicos que aumentam o seu poder de convencimento junto ao seu público. Antes de utilizar o copy, tenha uma estratégia de comunicação muito bem delineada e invista na produção de vários materiais, levando sempre em consideração a sua persona.

O que você achou do conteúdo? Já conhecia esta técnica? Compartilhe este post com os seus amigos que também precisam entender um pouco mais sobre copywriting!

Imagem: Unsplash